Translate

sexta-feira, 2 de maio de 2014

MACONHA, DOS MALES O MENOR.


     Levando em conta o contexto dos dias atuais, quase que a gente não encontra motivos para que a maconha não seja liberada. Às vezes, a ilegalidade de tal erva, soa até como puro preconceito. Primeiro porque que quem tiver afim de fumar um, mesmo com as UPPs, compra maconha como se ela já fosse legalizada. Outra razão é que algumas drogas mais pesadas, além de liberadas, são encontradas em qualquer esquina. 

Mas isso não quer dizer que a maconha seja “cool”. Não, não é. Tenho um conhecido que o pai morreu de câncer na laringe por causa da ceda. Um amigo ficou paranóico por usar maconha todos os dias durante alguns anos e hoje tem acompanhamento psiquiátrico e, claro, nada de marijuana. Aliás, o próprio ato de fumar já é prejudicial às vias aéreas, além do mais, a droga contém centenas de elementos psicoativos que causam problemas de saúde física e psicológica, e podem causar dependência também. Pois então, mesmo que seja muito difícil morrer de, a maconha é droga e seu uso continuado faz mal a saúde sim! Fato que não podemos negar. Mas antidepressivos, viagra, remédios em geral também podem prejudicar a nossa saúde. O que torna irrisória qualquer autorização judicial para utilização de medicamentos à base de tal erva.
O álcool contribui muito para a “leveza” da marijuana. A bebida causa danos irreversíveis ao cérebro e prejudica o organismo de forma muito mais violenta do que a maconha. Aliás, violência também é um efeito colateral do álcool e da cocaína:  Alguns bêbados se transformam no Anderson Silva, e, às vezes, matam ou morrem porque nos bares da vida, não existem juízes que param as lutas ou evitam golpes baixos como garrafadas e tiros.
O álcool também entra nas estatísticas quando se fala em trânsito. Hoje a maior causa de morte entre os jovens do Brasil é o acidente automobilístico. Mesmo que essa estatística inclua apenas mortes ocorridas no local do acidente. Foi para o hospital, vira traumatismo craniano ou o que seja o ferimento. E dentre mortos e feridos, a grande maioria está sob efeito do álcool ou é vítima de alguém alcoolizado. É o caminho mais rápido de uma festa para um velório, às vezes, o próprio.
O álcool, assim como a cocaína, também destrói lares. Começa pela vergonha social de conviver com alguém intermitentemente bêbado. Os vexames e situações embaraçosas causam profundos danos psicológicos principalmente em crianças que vivem sob estas circunstâncias. Fora o trabalho que os bêbados dão para quem os tem de cuidar, ainda podem se prejudicar no seu próprio trabalho. Entretanto, o mais grave é a violência doméstica. Os pais bêbados que se tornam incapazes de proteger a sua família e acabam abusando da violência ou dos próprios filhos.
Então a gente pára e pensa: Bom se com todos esses danos o álcool é liberado por quê a maconha não é?
Nunca vi um pai chegar em casa e bater na mulher ou na família inteira porque estava chapado. Pelo contrário, é mais fácil ele deixar para trás todos os seus problemas - mesmo que entorpecidamente - transformando-se em um pai mais carinhoso e divertido, que ri à toa e coloca os filhos na cacunda para protegê-los de aliens cibernéticos.
Nunca vi alguém com ressaca de maconha. Ninguém vomita porque fumou demais. Larica causa fome e não dor de cabeça e mal estar. E um sono bom também.
Me pergunto: E se todos fumassem maconha como tomam café preto, será que haveria guerra no mundo? Imagina o Puting chamando o Obama para fumar um e dialogar sobre a crise da Ucrânia. Você acha que eles disputariam interesses sobre a Criméia ou entre uma prensada e outra chegariam a conclusão de que o melhor para tal Estado é ser livre? E se o Bush fosse maconheiro teria invadido o Iraque? O Bin Laden teria derrubado as torres gêmeas? E os corruptos? Teriam tanta necessidade de poder e dinheiro como sugere a cocaína ou levariam a vida mais numa nice?
Eu duvido que, se todas as pessoas, que responderam a pesquisa sobre as mulheres merecerem ser estupradas, estivessem chapadas, o resultado seria o absurdo que foi.
Sim, a maconha, apesar de todos os seus males, poderia criar um mundo mais tranqüilo, mais compreensivo e mais carinhoso. Um mundo mais “paz e amor“. Mas é evidente  que se o mundo precisa da maconha para viver em paz, significa que ele está fraco e doente. O ideal seriam pessoas educadas, calmas, compreensivas e sem medo de mostrar os sentimentos por pura obra da natureza e não como conseqüência do uso de uma droga. Mas como estamos longe dessa realidade e vivemos em um mundo cada vez mais cruel, rápido e ansioso, de pessoas sem auto estima, egocêntricas e competitivas, a maconha pode vir a calhar.
Bom, se a gente conclui que, de certa forma, a maconha pode trazer benefícios para a sociedade atual, liberamos amanhã?
Não, não é bem assim. Das drogas  provém o sucesso dos traficantes. Elas os ajudam a sair de uma vida miserável. Trocam seus barracos por casas de luxo, suas motos usadas por carros importados. E através das drogas que eles bandidamente compram suas correntes de ouro e a vida que dificilmente teriam se fossem simples moradores de uma comunidade em um país equivocado como o nosso. E se acabam com o monopólio deles, são as nossas correntes que serão puxadas em mais um arrastão. Nossos carros que serão roubados nos sinais e nossas famílias e amigos que serão assassinados por terem apenas alguns trocados na carteira. Mesmo que não fumem maconha. Ninguém nos obriga a ligar para um traficante. Mas não podemos evitar um tiro na cabeça decorrente de um assalto.
Por outro lado, muitos policiais honestos já foram vitimizados por lutarem contra esse comércio ilegal e, por isso, deixaram suas famílias incompletas, seus filhos órfãos.  Muitos inocentes, ou nem tanto, também já foram mortos em conseqüência do efeito dominó da violência do tráfico de drogas. Danos esses causados não pela droga em si, mas por sua ilegalidade. O dinheiro com o qual patrocinamos o tráfico é investido em armas, como também em policiais e políticos corruptos, para que os traficantes mantenham seu domínio. - Fundamental motivo para que não sejamos usuário de nenhuma droga ilícita. - 
Tem gente que grita que quer uma sociedade mais correta e logo em seguida compra um baseado com o dinheiro que ajuda ela a não ser. Entretanto, o lucro de uma empresa é aplicado em funcionários, treinamento, novas filiais. O que pressupõe a legalidade como uma forma de amenizar certa violência e deixar que cada indivíduo responda pelas suas próprias decisões. Mas uma legalização que seja bem pensada e estruturada, caso contrário, ao invés de solucionar, vai criar novos problemas.
É, sem dúvida, a legalização da maconha é um assunto polêmico e bem complexo. Nada que a gente possa decidir e raciocinar chapado. Mas também nada que fumar um não possa nos fazer esquecer e relaxar... Não é?

Nenhum comentário: