Translate

sábado, 15 de fevereiro de 2014

A CRIAÇÃO DO MUNDO É UMA INVENÇÃO!


    


     É estranho imaginar que existem pessoas que não acreditam em algo superior regendo o mundo, o universo. Como se a flora e fauna fossem obras do acaso. E os movimentos do planeta terra que originam as estações do ano, como também o dia e a noite, fossem mera coincidência. De repente se descobre um novo planeta com vida na via láctea e comenta-se: Como esse universo é pequeno.

     Para a bíblia, pequeno foi o tempo que durou a criação do mundo: 6 dias. Sendo que o domingo foi de folga. Se Deus foi capaz de criar esse mundão a fora em uma semana, ou precisou de uns bons milhares de anos para descansar ou não sentiu nem cócegas. Claro que entendemos que é mera simbologia. Cada dia talvez represente milhões de anos de evolução, até por que nós já sabemos que mágica não existe.
     E a teoria do Big Bang que chega para tentar desvendar esse truque da existência. Há 20 milhões de anos, a via láctea era formada por uma grande explosão de um bloco de material original. Ok, mas como se formou?...E com essa explosão, todos os planetas, astros e estrelas foram parar exatamente onde estão e resolveram movimentar-se entre si como se estourássemos um balão d`água na lua e as gotas formassem o perfeito conceito das galáxias e seus movimentos. Bigbang dentro da nossa cabeça.
     A teoria grega é a mais lúdica para não dizer esquizofrênica. Do Caos veio Érebo que significa profundezas do inferno. Ele conheceu Nyx, a noite. Provavelmente em uma boate. Casaram-se e tiveram dois filhos Éter, o ar, e Hemera, o dia. Ou seja, o dia é neto do Caos e filho das profundezas do inferno. O que explica muita coisa... Depois Gaia, a Terra, casou-se com Urano, o céu. Será que na igreja? Frutos dessa união inusitada nasceram titãs, deuses e homens. The end.
     Eis que me deparo, então, com uma teoria criacionista muito interessante chamada “Design Inteligente”. Parece até curso de universidade. Mas não é. Nessa teoria a base da criação é a inteligência em si e não uma figura a nossa semelhança, como um mágico barbudo que responde por
Deus. Não que a religião não faça sentido para seus defensores. Simplesmente admitem um criador mas se colocam na condição humilde ou ignorante, como deveras somos, de não saber quem é esse “designer” e o que é anterior a sua criação. Talvez seja uma condição inerente ao ser um humano não saber o que vai além, como a fórmula da coca-cola, em uma comparação inversamente proporcional.
     Para a teoria do Design Inteligente, a natureza é tão perfeita que não pode ser natural. Bigbang dentro da nossa cabeça de novo. O que pretendem significar é que o corpo humano, por exemplo, foi tão milimetricamente calculado em uma complexidade absurda de funcionamento e estrutura, que tem de ter sido projetado. Pô, viemos até com saneamento básico. Da mesma forma, foram calculados a cadeia alimentar, o clima, as vegetações, o movimento dos planetas e suas galáxias, como também, a exata sincronia que rege todos os elementos existentes no universo. Ou simplesmente existentes.
     A gravidade não é um mero detalhe que nos mantém com os pés no chão. É mais um esquema de um projetista muito sagaz que estabeleceu que o fruto que você vai colher, além de cair em direção ao solo, também depende da semente que você vai plantar. Em todos os sentidos! E o processo de germinação ao nossos olhos é igual a de um macaco dentro de uma fábrica de carros, por exemplo. Ele consegue ver aquelas máquinas colocando portas, motor, capô, a pintura jorrando na lataria mas não entende como isso é feito. O macaco é irracional, o homem é racional e provavelmente os criadores do universo sejam supra racionais, uma escala que nós não alcançamos.
 
     Imagina uma fábrica de seres humanos. A linha compacto de olhos puxados, importada pela Ásia, a outra linha grafite exuberante, sucesso na África, e o loiro de olho azul quatro portas, o mais encontrado na Europa. Para a teoria do Design Inteligente, essa diferenciação entre as “linhas” da
raça humana é proveniente de um DNA Divino, e momentâneo, que alterou a produção conforme o Dono da fábrica desejava. Da mesma forma a regionalização dessas raças, que certamente não é só mais uma coincidência geográfica. E, agora, as “máquinas” só repetem a criação inicial desse projetista surreal que aplica seu conceito de evolução em tudo que existe. Até no que não é palpável como o bem e o mal, a saudade, a alegria ou a tristeza, etc.                                       
     O interessante é que essa própria teoria não se questiona: Tá, mas quem criou o criador? E eu vou além. Quem criou a existência? Quem chegou e ligou a TV Universo e pronto, tudo passou a existir. Mas também, alguém que fez isso já existia. Então, quem ou qual foi a primeira coisa a existir? É possível ou lógico que a existência tenha algum antecessor? O nada? Mas o que é o nada? Como e por quê o nada dá vasão a um tudo? E para quê?
      Entre tantos questionamentos e com a cabeça quase pifando, olho para o futuro e vejo o universo infinito. Um bolinha de tênis adentrando a galáxia para sempre porque, absurdamente, não existe limite de tempo e espaço. Eu olho para trás e vejo o mesmo. Uma não criação do universo. Um espaço que sempre existiu porque é infinito para frente e para trás. E superbigbang dentro da nossa cabeça. A inteligência humana não pode ir além daqui porque não é infinita como a existência em si.
     Entretanto, se esse Designer tão complexo quanto sua própria criação fez o mundo perfeito e me colocou nele, quem sou eu para projetar minha própria vida de forma leviana?
É simples. A vida não é recreio não. É trabalho. É coisa séria, para gente grande. Temos a função de construir histórias incríveis. As nossas. De outras pessoas. Buscar o melhor caminho sempre, da mesma forma como esse mundo que o Criador nos inventou. E superar, mostrar resultados, não para a sociedade, mas para esse misterioso Designer da Existência que é como um Chefe que tudo vê no Big Brother da vida. Então, gerando mais energia do bem, maior será a recompensa da existência a nossa alma. Claro que, às vezes, é difícil não ver a quem, mas devemos ter em mente que nosso compromisso é com o Universo e não com o outro. O retorno é a vida que nos dá, tanto para bem quanto para o mal. E esse bumerangue de ação e reação é uma lei da natureza tão precisa, quanto semear uma árvore e colher os frutos da semente que a gente plantou. Quanto mais conectados a esse Design Inteligente, tanto em pensamento quanto em ação, melhores são os frutos que naturalmente - ou estrategicamente na visão Dele - iremos colher
    
     O único sentimento que se assemelha à perfeição desse Designer é a generosidade. É nela que nossa vida entra em sintonia e sincronia com essa natureza exata da existência. O amor é a nossa moeda para com o Criador porque quanto mais dispomos de bondade, maior o nosso lucro. Como uma conta corrente que conforme mais no vermelho, maior também serão os juros. Assim, não prejudicar outrem passa a ser mais do que altruísmo. Vira uma questão de inteligência para quem quer ser feliz. Porque evitar fazer o mal é, simplesmente, fazer bem... a si mesmo!

2 comentários:

Laura Gallotti disse...

Como não ficar " boquiaberta " com tamanha definição de um " quase debate " que assola toda a população do mundo desde que o mesmo passou à ser pesquisado. Pontos de vista giram em torno da religião e da ausência dela. Crenças, descrenças... Seu ponto de vista muito bem relatado de maneira ímpar, e , sempre finalizando com uma mensagem que toca nossos sentidos. Gostaria de ter todas as suas inúmeras crônicas em um único livro, seria excelente para as reflexões diárias. Parabéns ! Cada crônica sua uma superação !
Lauriene Gallotti.

Semíramis Alencar disse...

Oi, Lu
Belo artigo, querido, parabéns
Você enche nossos corações de esperança com suas palavras, repletas de otimismo e encanto.
Quero te deixar uma canção que complementa bem o seu pensamento:

Beijo,
Semíramis

A Lógica da Criação
Oswaldo Montenegro

O mérito é todo dos santos
O erro e o pecado são meus
Mas onde está nossa vontade
Se tudo é vontade de Deus

Apenas não sei ler direito
A lógica da criação
O que vem depois do infinito
E antes da tal explosão

Por que que o tal ser humano
Já nasce sabendo do fim
E a morte transforma em engano
As flores do seu jardim

Por que que Deus cria um filho
Que morre antes do pai
E não pega em seu braço amoroso
O corpo daquele que cai

Se o sexo é tão proibido
Por que ele criou a paixão
Se é ele que cria o destino
Eu não entendi a equação

Se Deus criou o desejo
Por que que é pecado o prazer
Nos pôs mil palavras na boca
Mas que é proibido dizer
(Ora pro Nobis (2x))
Porque se existe outra vida
(Ora pro Nobis)
Não mostra pra gente de vez
Por que que nos deixa nos escuro
Se a luz ele mesmo que fez

Por que me fez tão errado
Se dele vem a perfeição
Sabendo ali quieto, calado
Que eu ia criar confusão

E a mim que sou tão descuidado
Não resta mais nada a fazer
Apenas dizer que não entendo
Meu Deus como eu amo você.