Translate

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

CONTRADIÇÕES

Um dia queremos com tudo,

noutro, não tem mais importância

Às vezes odiamos a pessoa amada,

brigamos com vontade de afagar

e tudo que queremos

atiramos o mais longe possível

A gente sofre sendo feliz

a dor causa alívio

outras vezes, se está alegre mesmo triste

é quando, por trás de um suave sorriso,

se esconde uma grande mágoa

A gente fere quem não se quer ferir

e se satisfaz, ri com vontade de chorar

essa é uma das vezes em que

escolhemos o que não queremos,

a opção errada, e insistimos

insistimos no que não é melhor

e diante do nosso próprio sofrimento

seguimos em frente,

dizendo sim querendo dizer não

e negando o que se almeja,

O momento em que a gente se corrompe.

É comodismo ao invés da felicidade

o medo diante do inevitável

e o óbvio se perde na contradição

e a gente finge que não finge,

compactua com o que não é

e pára quando tem de ir adiante

Adora mais aquilo que não tem

e não enxerga o que há de mais claro

A verdade se torna surreal

e a mentira pura realidade

Nos assustamos com o normal

e o incomum passa desapercebido

como se a luz estivesse apagada,

Está claro.

E mesmo prevendo

a gente comete o erro

de acreditar, de não amar,

de ser ou não ser

e a gente concorda discordando

porque a gente não sabe

o que já foi dito

e fala o que não acredita

mesmo sentindo que não deve

então a gente tropeça, cai, sofre

e na próxima esquina

repete tudo novamente

conscientemente insanos

acreditamos na verdade de mentira

nas nossas próprias desculpas,

quando os nossos interesses

não nos dizem respeito

a gente engole o grito

acaricia com vontade de socar

e entende que é feliz,

mesmo não sendo

e seguimos assim até o final

acreditando que estamos vivos.

E estamos...

2 comentários:

KaMinato disse...

Lu... O que dizer do texto?! Perfeito, verdadeiro, humano...como tudo que escreves. Um jogo de palavras que ao se unirem dizem muito, dizem tudo e desmascaram a alma...parabéns! Orgulho gaúcho tchê! Beijão, saudades!

Semíramis Alencar disse...

Você é um amigo desses preciosos... cada coisa que você escreve, parece ler o que vai escrito no coração de cada pessoa.
Somos tão duais e tão complexos que nossos sentimentos somam um emaranhado de emoções absurdamente díspares, você passa essa contradição nesse poema encantador.

Admiro-o mesmo, querido Luciano. De uma sabedoria e singeleza ìmpares.

beijo dessa amiga.

Semiramis