Translate

domingo, 3 de abril de 2011

O PONTO ZERO DA VIDA

    Conversava com um amigo sobre o vazio que existe dentro das pessoas. Uma comum sensação de que sempre falta algo e nos tira o bom humor, a paciência, o otimismo, até o sono, colocando-nos em um estado de melancolia ou ansiedade intermitente. Como que uma epidemia de baixa auto-estima que desanima ou estressa e compromete todos os papéis que desempenhamos no dia-a-dia.


    Então, meu amigo me veio com a teoria do PONTO ZERO. Segundo ele, as pessoas que não se sentem bem diante da vida estão em um estado negativo. Estar nesse estado significa estar em desacordo com quem nos somos de verdade. E para isso existem diversos motivos.

    O sistema cria modas e desejos que não são necessariamente importantes, mas agregam status e nos fazem sentir inferiores por não possuirmos determinados bens ou relações. Por tal ascensão lutamos incessantemente para galgar atributos que, geralmente, não têm a menor importância para a nossa vida. Nos frustramos quando não conseguimos e também nos frustramos quando conseguimos porque não nos completa, transformando nosso vazio em uma incógnita angustiante.

    A competição e a comparação dilaceram também. Um familiar se formou em medicina, um primo foi promovido, a irmã casou, o melhor amigo separou, o vizinho comprou um carro novo, a sogra do filho fez uma plástica. Instantaneamente muitas pessoas, mesmo em uma realidade bem distante, sentem-se derrotadas por não serem médicas, por estarem a 5 anos no mesmo cargo. Tornam-se solteironas solitárias ou maridos castrados pela aliança. Têm vergonha de andar de fusca 90 ou por não ter a cara esticada e congelada de botox.

    Você consegue o trabalho e seu amigo dá aquele sorriso sem graça com um “parabéns” fúnebre claramente perceptível. Pessoal, não é olho grande, é fraqueza. Tamanha, que leva a um baseado para relaxar para - de repente - conseguir ficar feliz por seus amigos ou por si mesmo. Pode também rolar um teco para compensar a personalidade que acha que não tem ou tomar um porre e fazer um monte de merda como auto-punição por pensar ser a única pessoa que não presta nesse mundo.

    Estado total negativo porque simplesmente não está de acordo com sua própria verdade. E entra aí o PONTO ZERO. Segundo meu amigo, é necessário zerar. E aqui, zero pode ser positivo. Tal estado consiste no momento de parar tudo e questionar a própria vida. Perguntar para si mesmo “ Quem sou eu? Que quero da vida? Quais são meus objetivos?”

    Gosta de esportes, então procure algum para praticar. Se não gosta de academia e nem tem uma pelada para jogar, corra em um parque uma vez por semana: É renovador. Se quer aprender uma língua, compre um curso em volumes em uma banca ou pesquise na internet. Existem vários cursos on line gratuitos. Quer arranjar uma namorada de família e vive na balada, ou é da “night”, mas tem namorada? Quer ser astrônomo, mas trabalha de promoter? Fala sério. Zera!

    E a viagem dos seus sonhos vai fazer quando? Depois do seu enterro para não ter que pagar a “passagem”? Não! Marque agora, sob um planejamento lógico e faça de tudo para realizá-la. Mesmo que tenha que adiar a partida. Mas não desista de se fazer bem.

    Quer um relacionamento que não te faça mal com alguém que te valorize, mas continua namorando aquele grosso ou aquela chata. Zera! Termina a relação. A dor sempre passa. A lógica do amor é cíclica ou, nesse caso, do comodismo. Você já sabe disso. São milhões de possibilidades mundo a fora de você conhecer alguém que saiba amar. Case e tenha filhos, ou seja um solteirão convicto se essa for a sua verdade.

    Mesmo que fique algum tempo sem trabalho, você tem que se realizar profissionalmente. Zera mesmo que todos reprovem, tendo a certeza de que é o melhor para você. Não importa o que os outros dizem, quando o que falam não condiz com a nossa verdade. Então, vire a mesa! Seja feliz! O universo sempre conspira quando estamos no nosso real caminho.

    Tem alguma mania que detesta ou um defeito que te atrapalha? Trabalha nele. Somos seres em constante evolução. Escute o que os outros têm a dizer sobre isso. Tire um tempo para refletir e brigue com você mesmo, saindo vencedor da batalha contra seu egoísmo, contra seu temperamento, suas mentiras e essa necessidade de se aparecer ou falar mal dos outros.

    Se você é bonito mas nem tão inteligente, use sua beleza a seu favor dando belos exemplos, ao invés de se torturar e sair por aí seduzindo todo mundo para compensar uma destreza de raciocínio que não tem. Se você é inteligente, porém nem tão bonito, use sua inteligência a favor do mundo e você será belo mesmo acima do peso ou com o nariz grande.

    Pesquise seu interior. Escute suas respostas. Descubra quem é você, mesmo que tenha que anotar para não perder o prumo. Você não é tão assustador quanto pensa, é humano e tem muitas qualidades a se dar conta ainda. Então, verifique se cada escolha, cada atitude, cada compromisso te leva aos objetivos que traçou para ser - realmente - feliz, se não, desmarque, esqueça, mude. Não perca tempo com o que não lhe faz bem a não ser que seja por uma alegria genuína maior no futuro.

    E, quando tudo que você fizer, tiver a ver com seus precisos objetivos de uma vida feliz, você começa a ficar positivo. O bom humor volta, a crença em si e no mundo também. Mesmo que a felicidade ainda esteja distante, você se torna mais compreensivo, o sono fica gostoso e a vida fica singela como a brisa que bate no nosso rosto e nos faz suspirar de satisfação, deixando um sorriso nos lábios de contentamento e o coração leve e livre de amarguras.

    Descubra e viva apenas o que você tem de melhor e será sempre positivo. E não importa se você está mais ou menos acima do zero do que os outros, o que importa é que você esteja no caminho certo, afinal cada um tem sua vida, seu momento.

    E depois de me encher de positividade com essa sabedoria, meu amigo ainda olhou para mim e falou com um convicto sorriso nos lábios : “Meu caro, a vida é feita pra isso....”

16 comentários:

Semíramis Alencar disse...

Querido Luciano

As pessoas estão vazias pois seu interior anda vazio. Suas palavras não fazem sentido, não há Deus, não há cultura de paz, nem cultura de afeto ou prática da caridade.
Na realidade, se as pessoas soubessem como é maravilhoso poder trazer uma palavra de fé, um gesto afetuoso, um sorriso a outras, suas vidas estariam com um saldo positivo bem maior.
Gosto da idéia de associar a vida a uma conta bancária: onde você soma alegrias, divide sonhos, diminui tristezas e multiplica amor. Só que as pessoas não sabem o que é verdadeiramente amar - sentimento facilmente confundido com paixão, volúpia, ciúme, necessidade de atenção e contato corporal ou seja, o puro sentimento de posse. Não amamos - temos a posse das pessoas que estão ao nosso lado.Pois amar, não só a uma pessoa, mas a uma causa ou uma idéia consiste em deixá-las livres. Não nos preparamos para isso. Não faz parte de nossa cultura a cultura da liberdade. E a liberdade, querido Luciano, é condição "sine qua non" (amiga besta é um problema...) para a conquista da felicidade. Pois a felicidade verdadeira encontramos inserida não nos cartões de crédito ou nas baladas e drogas inebriantes - a felicidade verdadeira pode até ser encontrada junto com uma pessoa, porém jamais nessa pessoa. A felicidade pode estar na criação dos filhos - mas os filhos terão que encontrar o caminho algum dia, e você terá de se contentar com a felicidade de tê-los criado.
A felicidade plena, o ponto zero de nossa existência, consiste na felicidade em existir e fazer o que mais gosta. Aproveitar cada momento da vida na descoberta do sentido dela.
Sentir-se infeliz por causa do sucesso dos outros, pela sua própria incapacidade criadora, pela própria preguiça de ser feliz, de se arriscar ao novo é uma atitude digna de pena. Há os que se dizem infelizes porque não estão num BBB curtindo aquele festival de frivolidades e mordomias. Tudo bem, há gosto para tudo.
Assim, gosto de pensar na frase de Charles Chaplin
"A vida é muito para ser insignificante!"

Continue assim, menino, trazendo sua luz ao mundo !

Semíramis

Cariuxa disse...

Adorei o texto... realmente as pessoas estão cada dia mais vazias e se preocupam muito com coisas pequenas.

Cariuxa

ESTEVAM VON CLAUS disse...

LUCIANO!


Mais um texto primoroso, enriquecedor!


O Luciano sabe dissecar um assunto de grande complexidade e condensar tudo de uma forma tão profunda e imparcial, que é já uma leitura de um livro seu texto.


Concordo que é preciso zerar para nos abastecermos do/de novo, de nós mesmos. E só podemos fazer isso quando amadurecemos, quando as opiniões alheias não são mais capazes de nos suprimir.


ESPERO EM BREVE VER OS TEUS ARTIGOS NUM LIVRO. TEM POTENCIAL PARA ISSO...


PARABÉNS PELO TEU SENSO, A TUA LUCIDEZ. OS TEUS TEXTOS MOSTRAM O QUANTO TU TENS SAPIÊNCIA E EQUILÍBRIO PARA VIVER MELHOR.



ABRAÇÃO!



Estevam Von Claus

Anônimo disse...

A sensação de vazio é realmente a busca por algo que ainda não encontramos, como diria Léo Buscáglia " - A nossa vida é uma eterna busca, estamos sempre à procura de algo. Buscamos, procuramos, mas, nem sempre encontramos". Acho que a sensação de vazio e apatia com que muitas vezes TODOS nós nos deparamos é por que, justamente não conseguimos aceitar o NÃO que a vida nos deu.
É como a LEI DA ATRAÇÃO, ou seja, somos como um ímã atraímos exatamente aquilo que pensamos e sentimos, quem se entrega ao NÃO e não busca outras maneiras de encontrar o SIM acaba realmente no ZERO e, nunca por COMEÇAR DO PONTO ZERO.
Muitos dizem :" È fácil falar e aconselhar pois você não está passando por isso "; qual é, TODOS já passaram por isso, somos HUMANOS. Se caiu, LEVANTA ! É mais fácil quando realmente se quer a volta por cima. Acabou? desabou? comece do PONTO ZERO e vá em frente. O CAIR É HUMANO MAS O LEVANTAR É DIVINO.

Lú, mais uma vez amei muito seu texto !

Beijos mil
LAU

Taís Abreu disse...

A felicidade não está na realização de todos os desejos, mas sim no contentamento, no bem estar por tudo aquilo que se tem.

Parabéns pela crônica, você escreve maravilhas.

Regina disse...

Luciano,
Caracas muito bom viu,show... vou te confessar uma coisa,eu me encaixava ou talvez ainda me encaixo em algo que vc sita, tinha muito medo da mudança, achava que nunca tava preparada pra algo novo, tipo como um novo namorado, um novo emprego ou até mesmo novas amizades, e depois de tanto relutar com meus medos consegui vencer esse obstáculo,diante disso descobrir que se nos permitirmos, a vida pode nos proporcionar coisas maravilhosas,não apenas a troca de uma carro novo ou um novo namorado, que valia trocar de namorado se estava aplicando os mesmo erros ou até mesmo as mesmas manias, nada adiantava sempre vivia a mesma historia, então percebo hoje que a vida precisa ser inovada a cada amanhecer,buscando sempre uma luz espiritual e conquistando novos horizontes,perceber que cada amanhecer é um novo dia, e que se o cara lá de cima nos contempla sempre em vivenciar esse amanhecer porque não agradecer e agradecer sempre por esse amanhecer, mesmo que seja pra enfrentar dias cruel,mas na certeza que estamos vivos e que somos capazes de fazer coisas boas e inovadoras, afinal de conta a vida é uma luta constante, muitas vezes somos ingratos, de acharmos que a vida do vizinho tá sempre melhor que a nossa, sendo que somos capazes de lutar e consegui transformar, refazer e inovar sempre pra melhorar.Então Luciano é isso ai, não adianta só reclamamos se não procuramos consertar o erro ou tentarmos refazer a partir do PONTO ZERO DA VIDA..parabéns por mais uma bela crônica...
Beijo
Regina Torquato

Luciano Cazz disse...

Po pessoal... vcs conseguiram me emocionar com seus comentários... muito ricos me fazendo crescer e aprender muito mais... Com certeza a destreza que vcs eloigiam se aprimora com os comentários de vcs agregando mais esquemas de pensamentos a quem vos escreve.
Muito obrigado por me ensinarem mais e mais...
TODOS JUNTOS SOMOS FORTES NÃO HÁ NADA A TEMER.
Abraço apertado em cada um de vcs.

Nielsen disse...

Propícia essa crônica, porque nos mostra como o ser humano se degradou e degrada dia dia. É muito triste o VALE QUANTO TEM e NÃO O VALE O QUE SOMOS.E é tão forte que há danos muitas vezes psicológicos no indivíduo que de tanto ser "impregnado" de informações inúteis de consumo, se sente inferiorizado ao extremo por não ter condições financeiras de suprir essas "necessidades". Realmente temos que começar do zero e a exemplo de fênix, renascermos das cinzas.

pelé disse...

Todos, sem excessões, passam por isto,em algum momento da vida se perguntam, por que estou fazendo isto? aonde vai me levar? de que adianta? é uma lei na vida para se poder progredir,é como na preparação fisíca,o condicionamento físico só vem APÓS o cansaço e nunca durante ou antes,explico:Este é o estágio da vida que voce começa a trocar os valores e perguntar se o que estavas dando tanto valor assim tem na verdade tanto valor e a resposta geralmente é negativa por isso essa pequena depressão ao reparar que aquela camisa nova,aquele sapato maravilhoso,aquele bom perfume pouco valem para enriquecer sua alma.Por favor não me entendam mal,não quero dizer com isso que voce não vá ter estes apetrechos todos mas sim que voce não deve dar tanta importância assim prá eles daí aquele ponto zero que voce se refere,começar com outros valores que realmente vem a fazer a diferença para sua vida,se jogar de corpo e alma em algo que nunca ninguem pode tirar de voce como por exemplo acultura,amizade e outros mais.EU CONSEGUI...VOCE TAMBEM PODE.

KaMinato disse...

Oi Lú...sabias palavras. O texto realmente nos faz refletir, mas uma coisa é fato, apesar da busca interior pelo reencontro da pessoa consigo mesma, mais importante é Deus. Crer num Deus que nos apoie, que nos leva no colo e nos carrega nos momentos mais difíceis. Crer...simplesmente crer e acreditar que todos somos únicos, que temos valores próprios e ímpares.
Agradecer por cada dia vivido e pela nossa saúde, agradecer por não estarmos num hospital e por não passarmos fome, agradecer pela nossa família, que apesar de possuir defeitos, como todas as famílias, é nossa, agradecer tendo esperança que o dia de amanhã será melhor que o de hoje.
Saber doar-se, ajudar a quem precisa, estender a mão ao próximo, aprender a dividir, aprender a trocar. Sentir, com a máxima intensidade possível, sem medo de julgamentos de outrem, não ter vergonha de amar e de demonstrar todo esse amor. Deixar o individualismo de lado, ter um ombro amigo quando alguém precisa...tudo isso tem a ver com crer...com acreditar e só agindo no amor e na fraternidade, acreditando num Deus único, verdadeiro e que pode tudo é que a completude humana se instala.
Ninguém é feliz sozinho, é necessário a troca, a interação humana em todos os momentos, sejam felizes ou tristes.
Aprender a doar-se, respeitar os outros e acreditar que para Deus, nada é impossível...esse é o sentido da vida; esse é o sentido da felicidade!!

Karen Minato.

Ricardo disse...

Cara esse teu texto me fez pensar como eu sou feliz... morei em todas as cidades que eu amo... trabalho pra caralho mas amo o que faço... tenho amigos de verdade... e to tentando crescer sempre... me tornar cada vez um ser humano melhor... valeu Lu, por me fazer satisfeito com a vida q e tenho...
Penso exatamente como seu amigo a vida é feita pra isso... e vc foi feito pra escrever seu fdp.
abração

Luciano Cazz disse...

Valeu galera pelos comentários... vcs são a extensão dos meus textos e me fazem refletir e crescer sempre mais.
obrigado de coração

Barbara disse...

Lu,
Palavras assim são sempre bem vindas nas nossas vidas!!!
Bjs
Tarcila

Gizele disse...

Amigooo... muito show o texto, amei! tem muita coisa ali haver comigo sim mas se eu listar vai ficar chato ...hehehe.. todos vivemos isso sim mas cadê coragem pra zerar? e o medo de tentar? e o comodismo que chega sem perceber? enfim, promise to try. bjos

Luciano Cazz disse...

Muito legal Gi! Bem colocado... É assunto pra mais uma crônica... pq mtas vezes temos consciência de tudo, mas mesmo assim não damos o passo para recomeçar a partir do zero novamente.

Anônimo disse...

E aí seu Cazzorla! Como é que vamos?

Cara, eu não sabia que você tinha um blog e quando vi no FB resolvi entrar para ver o que você andava escrevendo e gostei muito do último post.

Eu tenho a mesma percepção que você e realmente é incrível como as pessoas gastam tempo correndo atrás de cosias que muitas vezes nem querem, apenas para sobreviver a concorrência e dar uma satisfação à sociedade. Realmente achei muito bacana o teu texto e é bom saber que mais pessoas pensam o mesmo que eu.

Nos mais era isso, que bom saber que você está bem.

Abraços,

Jean Calbar